quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Aprazeres...


E todas as vezes que te gritei
pendia um eco
um calafrio
um arrepio...
Um punhal se esvaia
fincava-me em desvario
Gozava-me em desalinho...
Furava-me a carne já avermelhada
das estocadas sem dó nem piedade...
O escarlate vivo a escorrer-me
empoçando-me os veios dilacerados...
- Uma deusa nua à procura
de um deus vagabundo e inveterado -

2 comentários:

Dando a Bunda pra Bater disse...

Um punhal? Boa metáfora.

Beijos.

Enfil

Monday disse...

inveterado ... adjetivo perfeito para finalizar um poema nesse tom ... bela escolha