sábado, 6 de dezembro de 2008

Cios...


Corpos nus...
Deleitam-se em sumos quentes...
Um escorrer fremente...
Cálido
Torpe
Caliente
Corpos em retalhos...
Carnes quentes
pressentem os dentes
nas bocas semi-nuas
Um escorrer da baba...
Um lírio aberto sem decoro
um choro prazeroso...
Um gume esplendoroso
Teu dorso
meus seios
Arrepios e cios
um colosso!

5 comentários:

intimidades disse...

adorei

Jokas

Paula

Daniel disse...

Poema forte e ao mesmo tempo suave. Gosto dessa mescla. Gostei do seu cantinho, voltarei mais vezes.

http://textoaatres.blogspot.com

http://so-pensando.blogspot.com

Monday disse...

deu fome ...

Cadinho RoCo disse...

Estes versos mordem de vontade o nosso âmago.
Cadinho RoCo

Xana disse...

Um colosso!!!!rs