quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Líquidos


Do meu arquipélago eu sei. Eu sinto todas as ilhas banhando-me. As línguas, áspides serpentes... rastejam implorando a minha gruta mais aberta, o meu canal estreito, os meus cumes em vértice no ápice do fluxo mais intenso... o meu gozo nas fendas enxurradas. A água da minha fonte mais profana... o líquido desvairado.

Um comentário:

Metalwizard disse...

Sim! Purifica-me na enxurrada de teus líquidos profanamente santificados. Bjs.