sábado, 14 de março de 2009

E quando você esquentou...


E quando te senti mais quente
um Vulcano na minha pele de Vesta
minhas coxas pingaram em suores...
De ti recebi a lava vermelha
no meu racho entreaberto escarlate...
Me retesei em dores e prazeres
na tua língua de fogo ardente...
Contorci os montes efervescentes
bicos tesos em pássaros de veludo
em revoadas em altos Ícaros
Dunas siamêsas opulentas e redondas
em rebolados de huris em pompas
Recebi-te em lânguidas madeixas de jorros...

By Vício & Dor

10 comentários:

Mário Margaride disse...

Mais um poema escaldante. É impossivel resistir a este apelo...

Beijinhos e bom fim de semana!

Mário

NEGROPOETA disse...

o poema lavra a lava que esquenta. bjos.

Desejos Aliciantes disse...

Poema quente e desejoso
uau
Boa noite pra vc
Beijos

Cláudia Dantas disse...

Uau, que poema fantástico!!!

meus instantes e momentos disse...

gosto daqui. Teu corpo arde, dá calor.
maurizio

Kleiton - Simplesmente Ser disse...

Simplesmente delicioso

Amo essa foto, divina.

bjos

A.S. disse...

As palavras
misturam-se
no sal da lingua
escorrem nos corpos
dançando doce melodia...
e na saliva, a poesia,
que vicia!


Beijos...

Tamires . disse...

E quando esquenta, combustão torna-se.
Teu poema transborda sensações, querida. Mexe com os sentidos. Nossos, ao te ler.
Palavra em lava, é isso o que vc faz.

Posso ser repetitiva? Lindo, mais uma vez.

Beijos e uma linda semana!

Erica Maria disse...

Lindo poema!

Adoro sua visita viu?

* Seu homem tb é um felizardo, seus poemas são lindos!

Bjoooooo!

João e Joana disse...

Poema jorrando de um vulcão em actividade!

Abraço