quarta-feira, 11 de março de 2009

Êxtases


E do meu corpo que se abre
e das ancas que se erguem
e dos bicos que despontam
aos corcéis e as criaturas...
Um lamber de fina moldura
- tua língua in natura -
na minha silhueta... ebúrnea e nua...
Desses lobos de alcovas
uma alcatéia em desatinos
E desses bichos que incitam
e dos rosnares que instigam
- meus gemidos e meus sussurros -
- Uma tribo ou um índio -
Uma flama acendendo aos ares
nas carnes em quenturas tantas...
O meu fogo se alastra, propagando em tantas bocas...
E da dama, apenas o cruzar das pernas (dissimulada!)
E da puta, apenas o lamber dos lábios ...
mostrando todos os pecados da Madalena impune...
E da santa, apenas as mãos em prece
- Na oração mais terna e pura:
Marca-me na carne em transe todo o pecado e toda luxúria...

Absinto

3 comentários:

Anônimo disse...

Não da pra ficar impune a uma leitura dessa. Que mulher tesuda.

V disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
V disse...
Este comentário foi removido pelo autor.