terça-feira, 17 de março de 2009

Queria te contar...


Quero te contar mil segredos
aqueles que guardo nos
bolsos dos tempos.
De náuseas e desejos.
E te contar também dos ventos
e seus desmandos do norte Bóreas.
Dos meus intrépidos sonhos ou
delírios que chegam povoando a minha mente.
Eles me permeiam frente às estações
e me fazem mais louca.
E, da areia, que escorre por entre os meus dedos
como alucinação no deserto...
E, da chuva, que de pingos, faz-se torrentes
e me refresca e atiça entorpecendo o meu corpo
Despejando frescores e frios, embebendo-me
em tranças transparentes e desatadas...
Mas também vira temporal e desaba
me tomba e faz lama
nos meus cabelos desgrenhados.
E, do barro, escorrente do meu rosto,
fundindo-se com as lágrimas.
De um sal arredio, que transformo em estátuas
e mais um tempo de segredos se instala...
O resguardar da Esfinge que nada decifra
E me calo em odres e ânforas
mais uma vez.

Absinto.

5 comentários:

João52 disse...

lindo este teu poema adorei este teu blog...

saudações poéticas

Olavo disse...

Lindo poema..
eu deixo vc contar seus segredos rs
Beijão

Giselle Sato disse...

O poema é tocante e as imagens perfeitas. Ajustadas nas sentenças como se estivesse espiando alguem declamando...dores, pedidos, conflitos e desejos. Os segredos que carregamos e precisamos partilhar...

°° Desequilibrada °° disse...

aaaaaaaaaaaai que deliicia é ler vc!!

=D

o casalqseama* disse...

um pecado calar-te...
somos todos ouvidos!



rsrs
bjs nossos*