quinta-feira, 2 de abril de 2009

Descortinar


Pode ser que eu desalinhe
e deixe fios pelo chão
solte os cabelos
escorregadios e finos
pode ser que eles embarecem
pelos dedos da brisa nua
e que eu me sinta mais na tua
de leve assim flutua...
Sou presa fácil mas talvez não...
pode até ser que eu me rebaixe
mostrando a puta e a mais vadia
e depois de tanta orgia
volte limpa e rezando em refrão...
Sou tudo e tantas mulheres
sou praga e erva daninha
sou anja e Fênix
mas calço as sandálias de Mercúrio
e dou uns giros por aí
em busca de barulho...
Pode ser...
Pode ser que dessa fêmea
apenas sinta o sabor pela tua imaginação...


Absinto

8 comentários:

Olavo disse...

Sou presa fácil mas talvez não...
Gosto dessa duplicidade..
Beijos

Seline disse...

Lindo o poema.
Pode ser... sem certezas e envolta em mistério. Para descortinar ou talvez não.
Beijo

Sacerdotisa disse...

"Sou tudo e tantas mulheres..."

Às vezes, sinto-me assim. Um sem fim de mulheres a morar no meu corpo... cada uma com um pensamento, cada uma com uma personalidade. Adorei!

E obrigada pela visita. Seja muito bem vinda!

Beijos...

Teu Poeta Vagabundo disse...

Há muito tempo o teu sabor está entranhado em mim, meu cãntico lindo.

Blue disse...

E com a imaginação... viajamos! Bjs

Lágrimas de Sangue disse...

É necessário coragem para escrever assim...

Faço uma vênia a Ti e à Tua Grandeza...

Kleiton - Simplesmente Ser disse...

Nao sei o que amo mais aqui se são os textos ou as imagens, parabens lindo , tudo novamente, bjo

unno disse...

sempre que por aqui passo, saio saboreando as palavras que tu tao bem colhes...