domingo, 31 de maio de 2009

A punheta dele me molha...



Morro de tesão quando ele liga a cam. Morro nos meus dedos. Morro lambuzada. Uma coisa é certa, aquele pau é do coisa ruim. Como pode alguém manipular outra pessoa apenas mostrando o cacete grosso, grande, de pelo aparadinho (shhhh, que delícia!) e ainda por cima cheio de gozo? Eu sei que a tecnologia é vançada, e os tempos são outros. O virtual encanta na tela e torna-se verdadeiro quando a coisa se dá lá fora, no real. Virtual? Não, não e não. Devia ser... ao natural. Fico boba com essa tal de internet. Como já vi paus. Coleciono paus. Faço poemas pros paus. Passo a língua na tela revendo aquela pirocotécnica toda. Putz! (qualquer dia faço um quebra-cabeças... e depois posto pedindo aos digníssimos que montem até acharem seus respectivos paus.) Isso é a net! Mas o dele é realmente um mastro de gozo. Desses que a gente se molha só de ver a cabeça roxa e babada daquele liquidozinho delicioso. E além do mais, ele é um tremendo vadio. Vadio de marca. Piroca de grife. (piroca de grife é por minha conta, porque na verdade, ele é um filho da puta. Aquilo é uma piroca de vira lata e de cachorro no cio.)

Começou assim:

- Deixa? - Ele é muito safado.

- Não faça isso! Por favor! - Eu falava nervosa.

- Ah, só um pouquinho, vai.

- Nãããããooo pooorraaaa!

- Prometo que só mostro a cabecinha.

- (olha só que filho da puta) pensei.

- Prometo que não demoro.

- Tá, tá, tá. Mas bem rápido hein!

Botou o caralhudo pra fora. Puta que pariu. Aquilo duro, grande e com uma cabeça deliciosa e melada.


Me molhei.



Alisei discretamente o corte da xoxota por cima da calcinha melecada.

Gemi.

- Olha aqui, sua puta. Ele é todo seu. Dizia aquele cafajeste de pirocona tesuda.

- Ahhhh, vadio. Se toca bem gostoso. (já tava doida. Parecia drogada).

Eu pedia alucinada.

Punheta, punheta, punhetinha de guengo filho da puta, vai punheteiro. Mostra como se bate umazinha de pau comedor de cu. Vai... vai... vai...

Rasguei a calcinha e meti os dedos.

Fiquei putíssima e cadelíssima.

Siririca, siririca, siririca.... ahhhhhhhh, gozei, vadio gostoso.

Tava com os dedos pingando e cheirando a foda virtual.

Mas digo aqui com todas as letras que nem todos me deixam acesa.

Só ele.


Posted by The Cure - RL

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/thecure

Encharcada



Das águas que me escorrem

e me dormem entre as coxas

como náufragas (sem escanfandro).

São-me águas que me tocam

feito Iaras encantadas

de liras, alaúdes e queda d'águas.

Essas águas que me molham

são também de Netuno-puto

um deus onipotente

que me suga até o sumo,

que seca e que me marca...


By Murmúrio

sábado, 30 de maio de 2009

Acariciá-lo


onde o meu ventre implode
sente teus pêlos pretos
fazem atrito contrito
- rezando na lida do grito -
Tesão, tesão, tesão gostoso...
Teu amasso sobre os meus pêlos
encostado nas paredes
de alcovas e lamas
onde a dama se revela
uma puta mais mundana
rolando em alfombras
mostrando o roçado
que tem gosto de pecado
e antes que essa deliciosa
sacanagem se acabe
que o beijo se traga em bocas
totalmente meladas pelos pêlos encharcados
Acariciá-lo mais um pouco...
Que louca vontade.

...

Posted by Murmúrio

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Essa Puta...


Tenho o cheiro das putas
o olor encharcado do corpo
com a marca entranhada dos machos
sou o bicho de ponta cabeça - fêmea -
cheiro à vadia, à guenga e à lida
de dar-se feito bicho de selva
e fartar-se nas coxas abertas
de um macho-bicho-faminto
que se entrega e delira
mesmo antes que eu o abata
porque sou a caçadora e a presa é vencida
- sou cheiro e vício de puta -
num bouquet de carne e peçonha
uma puta profana e quente...

Posted by Profana

Ando me perdendo...


Peço que me dê seu corpo
para que eu habite
um pouco desse canto
que me deixa em transe
essa loucura que me tange
e grito o cio dos animais selvagens
e indômitos ... um rugido e uns dentes afiados
Peço um pedaço desse corpo
as pernas, o queixo e talvez o abdômen
para saciar o meu desejo
de escorrer gostoso e sem pejo
Do queixo quero a seiva escorregadia de mim
do abdômen o meu corpo a fim rebolando
e das pernas o enlace nos meus quadris
Quero assim me aprisionar
e me mostrar a mais vulgar
gemendo por cima dessas letras que te mando

Posted by Murmúrio

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Proposta


Olhe e lateje

aperte a ponta

e sinta a sede

de ter-me exposta

...

Posted by Murmúrio

terça-feira, 26 de maio de 2009

Orgias


Louca de desejo
lambendo o cálice
entornando a saliva
num copo de orgasmo

Posted by Vício & Dor

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Não quero dormir sem os seus dedos


Quero os seus dedos
molhados da minha saliva
o toque no clitóris mais atirado
mirando teu desejo de sugá-lo
Quero que me bebas em goles
que massageie o ponto da libido
- ele te indica o caminho -
quero no mais tê-lo e metê-lo
todos os dedos em riste
fazer ciranda sem rodeios
e num cálido êxtase
adormecê-lo na sua língua

Posted by Vício & Dor

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Provocação


Te bendigo pelas sombras
de sua silhueta na penumbra
dançando freneticamente
dentro do quarto... um espasmo retesado
e uma réstia de uma lua vagabunda
vagando de súbito ao ver-te
um esplendor de reflexo
vadiando pela tua pele
esse corpo que atormenta os astros
uma sinuosa curva no espaço
d i s s i m u l a d a...
dançando nua e crua
e ainda te mostras sorridente
- deliciosamente c í n i c a
mostrando a pele morena -
sendo alisada pela minha língua
que pinga alucinadamente...

Posted by Absinto.

quarta-feira, 20 de maio de 2009

Quando viras de lado


E quando viras de lado
penso que a perfeição tem morada
nos flancos atirados...
E quando deitas de lado
penso no pecado...
quantas Evas e quantos Adões
pousariam-te as mãos
num afago idolatrado?
E quando põe-se de lado
penso nos corpos esculpidos
por formões mais atrevidos
E finalmente quando te viras
bem assim... de lado
me deixas atordoado
pela beleza displicente
e tão dissimulada...

Posted by Absinto.

terça-feira, 19 de maio de 2009

Aquilo que me consome


Deixe que a mão caminhe livre
que suba pelos espaços
onde o sol em cansaço
se põe em declive
fazendo sombra de orgasmos
Deixe que a língua circule
em via livre pelas tuas coxas
e que o gosto se torne mascavo
pele tua pele morena de cravo
Deixe também que os pêlos se rocem
e que sintam o atrito e o lanho
fazendo o barulho das águas
Deixe mais um pouco as mãos em deleite
fazendo amor pelos brados e gemidos
que ecoam pelo teu riso frouxo
e pela minha boca de lua nova
acolhendo na pele toda a seiva pegajosa
E nos meus flancos de neve cor de alabastro
que bendigam esse momento de entrelaces
- morda-me mais uma vez... vai!

Posted by Vício & Dor

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Antes que tu me saias de dentro


Antes que me saias de dentro
e me deixes nua
quero sentir o pingar
sem culpa
pelos meus dedos
tão frágeis de desejos
entrando pelos meus pêlos
e pelo teus tão tesos
Antes que me derrubes
assim feito bicho
e me deixe no chão
vertendo o vício
de rasgar teu corpo
em esguichos
romper teu sexo
pela língua molhada
derramando a seiva e a nata
Antes que me declames
tão lindos versos
e me deixes mais leve
flutuando como a águia
em voo rasante pelas tuas madrugadas
apenas me cubra e me acalme
sussurre ao pé do ouvido
coisas que sinto dentro do umbigo
um tremor gostoso e uma vertigem


Posted by Vício & Dor

domingo, 17 de maio de 2009

Você pode entrar no meu corpo


Queria o peixe e a escama
nadando no corpo, sol e chama
na clave, clavícula nua, expondo-se
pelos ombros quentes de sede e sal
queimando ainda pelas costas
um dorso de espinha, um feixe e uma reta
dessas que prendem pelo brilho e pelo clarão
refletindo aos olhos de uma paixão
um calor declamando depravação
cor de Marabá, alabastro e quinhão
pela parte que me cabe em tua boca
uma coisa louca e medonha
fazendo do riso o rio e o lago
transpassando-me pelos meios
e te revelando todos os cheiros do meu pecado

Posted by Murmúrio

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Quero trazer o melhor gozo


Quero trazer o melhor gozo
daqueles que gemem e mordem
dilaceram a carne e a cerne.
Quero o gozo mais gostoso
trazê-lo dentro da boca,
por entre as pernas,
abrir-me feito um leque e
rebolar pra lá de célere.
Quero trazer o melhor gozo
desses que rebolam e sentem
a lânguida baba escorregadia
lambuzando a navalha e a virilha.
Quero o gozo mais longo
múltiplos, eu diria... millhões de vezes!
Entre suspiros e rouquidões
versejando sobre as coxas
esfregando com muito tesão.
E, no meio melado, o sussuro...
feito respiração rarefeita
... uma levitação ...

Posted by Murmúrio

O amor


Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.
(Camões)


Ele me veio de mansinho
cheio de mimos e de abraços.
Me deu flores e me deu beijos...
Me fez o carinho mais doce,
me envolveu e teceu a teia,
a malha nobre, e o consorte.
Sussurrou em linhos e alfazemas
desceu pelas minhas costas
em arrepios, lambeu-me em fios
Fez-me dele e nua grife
marca da carne de Afrodite...
Mulher me dei em sina e vício
colei insígnias nas minhas coxas
Do cheiro, senti o dele lisonjeiro
transpassando-me brejeiro
Foi-se o verão ficou o outono
no coração em pedaços...
Folhas em desalinho
numa cama em cansaços...

Posted by Absinto.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Para sentir o meu sabor...


Colha-me na tua língua, amor
para que tu saibas do meu gosto e
para que tu sintas o meu sabor
Colha-me na tua língua, amor
para que percebas o fulgor
que me lava em labaredas
e para que as minhas coxas
se tornem torniquete sobre tuas costas...

By Absinto

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Preciso de um puto


Preciso de um puto
um puto respeitável
que me encante
daqueles músculos
que desenham o abdômen
e das coxas grossas que se abrem
- mostram o que de bom tem no meio -
Uma verga e um duro aríete que perfura
chama pro gozo e chama pra luta...
Quero esse puto de aluguel
desses que dançam sobre a mesa
giram o corpo e mostram a dureza
enfiam-se por entre os meus olhos a macheza!
- Puto assim com cara de puto -
me querendo de todas as formas
por baixo, por cima, de viés e sem nove horas
- Puto que eu compro em dólar -
Preciso desse puto, agora!

Posted by Profana

domingo, 10 de maio de 2009

Tuas linhas


E dessas tuas linhas
embebo-me e me curvo
fico grogue e torto
Louco pelas tuas curvas
sinuosas e derrapantes...

Lindas linhas que me planam
sobrevoam os meus pensamentos
fico solto e inerte... estagnado
pela sombra que te reflete...

Linhas ao natural como um horizonte
transpiram suores da minha tez
pingam e desalinham o meu corpo
pelas tão belas sem diretrizes...

Linhas que me envolvem
em novelos de Ariadne
beijam-me os olhos
o corpo nu e a vontade
fico sem volta, não retorno
me perco em tuas curvas extasiantes...

Posted by Eros.

Quando eu te beijo


Eu te beijo
com espuma
com marola
e com sal
é beijo de mar
de maresia
de rima e
de pira
É fogo lindo
de Camões
de Vinícius e
de Vesta
É tudo tão lindo
quando eu colo
em você e enrolo
a língua em lambidas
É tudo tão gostoso
sabor de uva
pêra ou salada mista.
É coisa de colar
de apertar e viajar
no céu da boca
contando estrelas e cometas
É a coisa mais louca
o suspiro entrecortado
o excitamento mais alterado
os meus olhos de Íris grega
arisca nos seus olhos dilatados...

Posted by Absinto

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Com você, tudo fica mais lindo!


Você é o meu grude
minha cola
minha bola
meu dilema
meu tema e a
minha prosa
Com você eu fico leve
flutuo na lua nua
aquela que ilumina
sem crise e com tema
de poemas e de palavras
- as mais vagabundas e líricas -
com você sempre dá certo
tudo é poético
são letras e prosas
Pessoa e enfeites
Você nunca me cansa
quando faz aquela festança
samba, roda, gira, mostra no miudinho
como se rima...
E eu aprendo direito
no torto e no imperfeito
- nunca rimo e só rio da sua cara -
Escolho uma letra e te ofereço
te oferto e te escolho
como meu rito...
um beijo na boca
uma língua molhada
um sussurro
um gozo
e assim fico extasiada
pensando em outra história
pra te contar deitada...

Posted by Absinto.

Ao trote das mãos...


A demência que me toma

em goles e goelas

abre-se insana

mostra-se profana e sem reza...

Mãos indóceis

feito os corcéis

de crinas e tranças

e s v o a ç a n t e s ...

By Profana.

terça-feira, 5 de maio de 2009

Eu só queria um pouquinho de você...


Vivo a mão que mendiga
um afago, um verso ou um traço
um resto desse seu corpo
ou um pedaço... uma réstia,
um sol ou um orgasmo...
- não sei se isso é melancolia
ou apenas uma triste melodia
talvez um lapso de mim...
um esquecimento... alento...
alento de uma noite em nostalgia
onde as nuvens enfeitam
e fazem amontoados de nimbos
- trovões em cimo no espaço -
chuva bandoleira lavando cios
- meu corpo em lamas e calafrios
procurando colchões em rios...
luva, mão, bolinação e êxtase esorrido
pelo meu rosto salgado de ilusão...
- desse silêncio ainda me molho
não seco, tampouco escolho o manto
ou a colcha de retalhos...
- ainda sinto os estalos dos trovões
a me cortarem pelos meios entreabertos
como flechas, facas e permeios
no meu corpo jogado ao relento...

Posted by Vício & Dor

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Esse vício de você...


Falo desse corpo
que me corrompe
um corpo que me encaixa
num desejo flutuante
que me prosta em asas e
plana feito gaivota...
Falo desse corpo
que me rendo de joelhos
e de quatro... lambendo seus pêlos...
Passeando sobre teu dorso
tua barriga, tuas coxas e teus joelhos
Dilacero os veios e me corto
louca, doida e insana
quero colar consanguineamente
teu escarlate no meu vermelho
Marcar como papiro,
um lírio ou um Narciso
e derreter-me até o queixo
no molejo da boca nua
sentindo o cheiro desse vício
de achar que tudo é o seu umbigo...
Centro de vaidade que me atiça
nessa beleza linda e cheia de luxúria
um corpo, um rumo incerto, um incesto
que me derruba, me atropela e me extermina...

Posted by Vício & Dor

domingo, 3 de maio de 2009

Talhos & Detalhes


Orgulhe-se do talho bem feito
um corte lapidado em desejo
onde a lava lambe e molha em fogo
arde e queima sobre a mesa
Dai de comer e
dai de beber
pois fome e sede há de se ter
Desse fruto-corte escorre
o mel e a água dos prazeres...
Geme, geme baixinho e entregue-se
à larica dessa fome e dessa sede
que derrete em minha boca
me sufoca e me espreme
- empurre a faca no corte -
entorne a malha fina e lisa
e escoe bem gostoso
Deixe o límpido do visgo
esticar de forma pegajosa
- deixe que ele me cole em decalque -
Pois quero o cheiro e a nódoa sobre os lábios...

Posted by Absinto

sábado, 2 de maio de 2009

Tocando o cinzel


É nessa ferida que escondo
todo o licor que te embebes
É nessa nesga, corte fino de
lua minguante esvoaçante,
é que mostro ao céu o desenho
(uma estrela linda e fina em
forma de boquinha saliente).
E é nessa posição que eu sinto
a sua língua me lambendo...
É nessa passagem estreita
que o sol se põe por entre as
coxas entreabertas... uma sombra
se faz por entre os meus pêlos...
E a noite é embalada por entre os meus dedos...
Uma chuva fina cai
um filete de sangue esvai-se
marcando o meu gozo transparente...
Um cheiro adocicado e fugidio
adornando os dedos
e a madrugada na soleira
gemendo como ninguém...

Posted by Vício & Dor