domingo, 31 de maio de 2009

A punheta dele me molha...



Morro de tesão quando ele liga a cam. Morro nos meus dedos. Morro lambuzada. Uma coisa é certa, aquele pau é do coisa ruim. Como pode alguém manipular outra pessoa apenas mostrando o cacete grosso, grande, de pelo aparadinho (shhhh, que delícia!) e ainda por cima cheio de gozo? Eu sei que a tecnologia é vançada, e os tempos são outros. O virtual encanta na tela e torna-se verdadeiro quando a coisa se dá lá fora, no real. Virtual? Não, não e não. Devia ser... ao natural. Fico boba com essa tal de internet. Como já vi paus. Coleciono paus. Faço poemas pros paus. Passo a língua na tela revendo aquela pirocotécnica toda. Putz! (qualquer dia faço um quebra-cabeças... e depois posto pedindo aos digníssimos que montem até acharem seus respectivos paus.) Isso é a net! Mas o dele é realmente um mastro de gozo. Desses que a gente se molha só de ver a cabeça roxa e babada daquele liquidozinho delicioso. E além do mais, ele é um tremendo vadio. Vadio de marca. Piroca de grife. (piroca de grife é por minha conta, porque na verdade, ele é um filho da puta. Aquilo é uma piroca de vira lata e de cachorro no cio.)

Começou assim:

- Deixa? - Ele é muito safado.

- Não faça isso! Por favor! - Eu falava nervosa.

- Ah, só um pouquinho, vai.

- Nãããããooo pooorraaaa!

- Prometo que só mostro a cabecinha.

- (olha só que filho da puta) pensei.

- Prometo que não demoro.

- Tá, tá, tá. Mas bem rápido hein!

Botou o caralhudo pra fora. Puta que pariu. Aquilo duro, grande e com uma cabeça deliciosa e melada.


Me molhei.



Alisei discretamente o corte da xoxota por cima da calcinha melecada.

Gemi.

- Olha aqui, sua puta. Ele é todo seu. Dizia aquele cafajeste de pirocona tesuda.

- Ahhhh, vadio. Se toca bem gostoso. (já tava doida. Parecia drogada).

Eu pedia alucinada.

Punheta, punheta, punhetinha de guengo filho da puta, vai punheteiro. Mostra como se bate umazinha de pau comedor de cu. Vai... vai... vai...

Rasguei a calcinha e meti os dedos.

Fiquei putíssima e cadelíssima.

Siririca, siririca, siririca.... ahhhhhhhh, gozei, vadio gostoso.

Tava com os dedos pingando e cheirando a foda virtual.

Mas digo aqui com todas as letras que nem todos me deixam acesa.

Só ele.


Posted by The Cure - RL

http://recantodasletras.uol.com.br/autores/thecure

10 comentários:

O Cavaleiro das Trevas disse...

hehe
Conheço histórias semelhantes, definitivamente não são histórias desse mundo...

Pelo momento.(não pelo cara! runn)
HAHAHA

Show!
Existem coisas que só mesmo quem vive pra dizer o que realmente é.

Bjo.

Momentos disse...

"Tava com os dedos pingando e cheirando a..." É. Por vezes sente-se mesmo tudo.
;)
bjo

Ricky Bar disse...

Essa história está fantástica! òtima semana

Jota disse...

ah, que tesão!!!!


Beijos
Jota.

LEO disse...

Vc encontrou mais um punheteiro de carteirinha!
e com vc descrevendo essa punheta lá vou eu tocar uma pensando em vc!
Bjssss do LEO

Nely disse...

Se é virtual... também é bom!
Os olhos comem e o corpo sente.
Lindo.

Anônimo disse...

Mais punheta do você me arranca? impossíevel gostosona!

Teu Poeta Vagabundo disse...

Minha deliciosa! Não preciso de cam e nem você. O nosso gozo é das letras pagãs que jogamos um no outro. te espero mais tarde...
Vem e fica!

silvioafonso disse...

.

Eu adoraria que você trocasse o nome do falo, que desse a ele o pseudônimo que quisesse e com isso coroasse a sua irretocável narrativa como um deus que reza uma prece entre os seus.
Fiquei encantado com o seu jeito, mulher, de narrar os fatos que num quarto nos envolvem com as suas personagens.

silvioafonso.





.

Professor Xavier disse...

Hipnotizate. É impossível parar de ler.