sexta-feira, 26 de junho de 2009

Confissões


Se tu profanas o meu templo
eu vos digo:- Vês como sou pura?
Do teu leite espesso
fiz um poema pro interno
das minhas coxas ...


e desse líquido vosso (tão viscoso)
armo a minha anágua de puta

e desse brilho que capto de vossos olhos
enfeito-me para mais tarde
arder na porta do paraíso
com outros homens
que me procuram e me trazem flores

Não sabias de tuas artimanhas,
nem de você e
nem de minhas vontades...


Posted By profana.

7 comentários:

Simplesmente disse...

delicioso...

Giane disse...

E quem pode saber das Artes, artimanhas e vontades de outrem?

Podemos apenas imaginar, romantizar, poetisar...

Poetisar belamente, como Tu!

Beijos mil!!!

Mário Margaride disse...

Palavras para quê?

Simplesmente arrasador!

Beijinhos e um bom fim de semana!

Mário

ADF disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulo disse...

Oh!!!
Como és louca!!!

Erica Maria disse...

Lindo poema minha amiga, aliás estás sumida!

Saudades!

Bjos!

pontorouge disse...

Essa eu vou sussurrar no ouvidinho do meu amor... posso?
deliciosas palavras.

beijo rouge

Dani