quarta-feira, 30 de setembro de 2009

O homem que eu manipulo


vergo-me em ti
envergando-me nas carícias
que te faço
língua nua no espaço
entre o promíscuo
e o símbolo da tua virilidade
um macho se reflete...
grita
geme e
urra
e expõe a grossura que me
encanta
me extasio na ponta
e nos sulcos derramados
um ácido que me queima
e na língua o desgaste
insuportavelmente saboroso

o homem que eu degusto.


Posted By Absinto.

6 comentários:

Carlos Bayma disse...

Sempre muito bom!

Tucha disse...

Gostei do poema, sensual e intenso, como tudo que vc escreve.
Se vc aceitar uma sugestão vai ai, trocar o título para o último verso. Na minha opinião palavra manipular tem outro sentido que não combina com a beleza do poema. Mas enfim ... ele lhe pertence (como o homem) e vc faz dele o que quiser.

Helô Müller disse...

E põe saboroso nisso!! rs
Bela e intensa poesia !!
Bjos
Helô

sentindo.TE disse...

escrita magnifica...

Ric Dexter disse...

Degusta-me!

humida disse...

tesao de blog