domingo, 18 de abril de 2010

Tem um bicho que me morde


e eu me parto
r e p a r t o
me divido
na fruta boa
fresca no corte
na carne crua
polpa carnuda
até os dentes
cravarem nela
escorrer o sumo
na lua que menstrua
quando me vens
feito bicho que morde
me explode o ventre
e me curvo o dorso
querendo o crispar
pelas costas
de toda a eletricidade
na jugular
por onde sinto
o tremor do gozo
quando respiro
teu cheiro de homem
teu hálito de bicho
tua cisma
cataclisma
de jorro
quando as duas partes
se juntam...

Posted By Absinto.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Úmida & suada...


rasga gostoso, vai...
até o êxtase no escuro
morder as paredes desesperadas
enquanto me deito aberta
esperando o rugir do mundo
entre os dentes e a faca acesa
desse tua força que me fere
e sangro o vermelho - enguia
que eletrizante me deixa o grelo
raspa tuas unhas
até que eu me morra aos poucos
na mordedura dos lábios roxos
sem fôlego algum
rarefeita de mim
entre linguadas e suores
dentre as coxas e os vãos
que vão na pegada louca
desse teu corpo de homem
e o meu cheiro esguichando o doce
o espumante que te consome

Posted By Absinto.