segunda-feira, 24 de maio de 2010

Desejos (...)


Ergueu o corpo num espasmo de coxas
onde os colibris brincavam infantes
e sobre os bicos, a valsa, a onda,
que crepitavam em espantos
onde mordiam-se os dentes,
mármores e carraras
(toda gárgula é safada)
e num gemido mudo
e num morder de lábios
eis que a gota acelerava-se (vadia)
num épico desejo de romper
a carne, o néctar, a úvula inchada.

Posted By Absinto.