terça-feira, 12 de outubro de 2010

... Que tu tenhas tudo de mim...


o lírio viçoso
o colibri que paira...
o anjo de asas nuas
o demo tsuru
as vestes arrancadas pelos ventos
pelo tato do tempo
pela haste toda dura
pelo líquido que desnorteia
feito papoulas saboreadas
pelo mirto
pela vara
pela verve
pelos lábios entreabertos
e que me tenhas...
e que me tomes...
até a chegada da aurora lânguida
feito preguiça viciosa
querendo deleitar-se
pelos troncos mais grossos
e pelo meu corpo
ejacular toda a luxúria
nessa vênia absoluta
de paixão
e
de loucura.

Posted By Absinto.

8 comentários:

menina fê disse...

lindo.
a doação é coisa da alma.


bjs meus

EU SOU NEGUINHA disse...

Maravilhoso...
Beijos

marcio lelis disse...

belo...

João Vicente Teixeira Lacerda disse...

Nossa...

Claudinha Monteiro disse...

heyyy
passando pra matar as saudades...
quanto à poesia, afiada e ereta, como sempre ;)

Riva disse...

Um pouco ausente, voltei pra saborear-te um pouco.
Meu carinho pra ti.

Vera Helena disse...

Grande poeta...Cada poema que li aqui mais belo e profundo que o outro. De uma sensualidade escancarada e poéticamente mostrada...belissimo mesmo. Gostei tanto que já me fiz seguidora Pasrabéns
Abraços poéticos

Dexter disse...

Sempre deliciosamente poética. Ou seria poeticamente deliciosa...?

Beijo.