quarta-feira, 27 de abril de 2011

Clandestina


parece foz e embocadura
essa paixão de rio adentro
essas águas tempestivas
esse lance de deslize
- peixes & enguias -
é fluxo constante...
é coisa indissolúvel
não passa e não cura
tudo d e s l i z a (...)
é como o fio da navalha
é frio que congela, percorre o
c a l a f r i o
me sobe feito vertigem
desmaios acometidos
ensaio bem tecido
para o segundo ato:
- minha nuca suada
nessa felicidade tão clã
destina...
[tário]
- meu homem.


Posted By Absinto.

6 comentários:

atena de Eros disse...

Passo um tempo afastada mas vale a pena voltar aqui e me deliciar mais uma vez com seus escritos...nossa! é de delirar.
Beijos!

Mar... disse...

Bom dia minha querida...quantas saudades de vc...
Como vc está???

Pois é amiga...vc viu que coisa chata????
É claro que sabemos que muitos textos podem ser parecidos...pois muitos desejos, delírios tem a mesma raiz...mas chegar ao ponto de copiar e nem se dar o trabalho de ler e tentar imaginar aquele momento para vc e mudar a sinopse da história é realmente lamentável...
Isso é uma pessoa pobre de espírito...muito triste...
Menina esse seu blog me deixa doida viu...e as imagens???
Querida tenha um findi deliciosa e saiba que vc é uma pessoa especial e seu blog serve de inspiração para todos nós...eu mesma leio muita coisa aqui que acaba me dando idéias e me criar momentos e devaneios com suas leituras...isso sim é muito legal...
Bjs carinhosos minha amada...

Anônimo disse...

Que blogue gostoso!

Curiosa disse...

uau! que imagem ..,. adoro os pelos masculinos ... beijo pra vc ...

Curiosa disse...

uau! que imagem ..,. adoro os pelos masculinos ... beijo pra vc ...

Curiosa disse...

lindíssimo poema ... e adorei a imagem ... com pelos, assim eu os gosto ... rsrs ...

gostei de sua escrita ...
bjo1