quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Carta aberta à Cerberus


ainda que fosses Cerberus
guardião do Tártaro
anarquizando a minha carne
(insólita... ) no ardor...
e fosses o cão endiabrado]
bradando ao infinito
o que me consome:
o amor depositado
entre o limite de toda a razão:
irracionalidade ao certo
desse caos e dessa febre
há de se ter "ferozmente"
um sedutor de Eros
seduzindo a sua Vênus.
Eis-me relíquia
à revelia
na morada do tempo.
(tão dedicada a esse amor...]

Posted By Absinto.

12 comentários:

Claudeko disse...

Minha linda, quanto sinto sua falta, poeta dos meus hormônios! Por que deixou de me ler? É aqui que cavo o erotismos que preciso para a transa de cada dia. Não pare, vai, venha me ver!Beijos.

µrsiŋђα Ѽ  disse...

Delirante...

bjs de mel
ursinha

Poeta almaquio disse...

Impossível passear incólume em ESCREVENDO NA PELE. Todas as vezes saio arranhado pela força dos versos-espinhos que riscam meus sentidos fazendo-me escravo do desejo de voltar. Grande Beijo deste pequeno poeta.
Almáquio

João Vicente Teixeira Lacerda disse...

Minha respiração sempre se altera quando leio o seu blog. Muito bom.

Um beijo enorme.

µrsiŋђα Ѽ  disse...

Venho com carinho trazer o selo de meus quatro anos no BDSM de presente...

Quatro anos vividos com intensidade...

bjs de mel

ursinha

José Ramón disse...

Apasionado poema saludos desde…
Abstracción textos y Reflexión.

maria escrava de Mestre Eslam disse...

Teu blog é mais doce descoberta de tanto tempo de seca. Tive sede e te achei.. obrigada.
Beijos.

Stein Haeger disse...

Belos territórios helênicos, sempre dignos de viagens e desbravamentos, como a própria carne pede! Eu, um confesso explorador de tal universo, sinto-me em casa, pois muitas alusões já fiz sobre correr a trilhas, as curvas, as veredas, trepar nas saliências e invadir as cavernas de tais percursos, mais um vez aqui, Encantado!

mARa disse...

Delirante esses versos.

abço!

mARa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A. Guimarães disse...

Boquiaberto...

Jasanf disse...

As reminiscências que o eu-lírico passa nesse poema é surpreendente, visto que traz lembranças simples que nos remete ao nosso próprio ato de viver. Lindo poema! Quando der, passe em Lectando-me.